Nos últimos anos, o WSOP — o principal circuito no mundo — registrou a participação pouco expressiva de mulheres no poker. Em 2017, o número de participantes femininas no evento foi menor que 5% de um field que superou 20 mil inscritos. Esses dados nos mostra que, apesar de inclusivo, o poker ainda é um meio majoritariamente masculino.

Essa é uma das dificuldades das mulheres que se aventuram nesse esporte. Além de terem que lidar com os desafios que o poker proporciona, as jogadoras ainda sofrem com preconceito e, até mesmo, assédio. Porém, esse cenário não intimida.

Apesar de não ser maioria, a presença feminina no feltro tem se destacado mundialmente. Continue a leitura e conheça quatro jogadoras de poker profissional que estão fazendo história no esporte!

1. Barbara Enright

Com três braceletes no WSOP e mais de um milhão de dólares de premiação acumulados durante sua carreira, Barbara Enright abriu as portas do mundo do poker para as mulheres, sendo a pioneira em várias conquistas no esporte.

A jogadora norte-americana teve seu primeiro Big Hit — que é quando o jogador conquista uma premiação expressiva — em 1995. Enright foi a primeira mulher a chegar a uma mesa final do Main Event no WSOP, garantindo o quinto lugar e 10 mil dólares.

Suas conquistas não param por aí! Ela foi a primeira mulher a ganhar um bracelete do WSOP e a primeira a completar um total de três braceletes do evento, sendo dois deles em eventos ladies. Esse histórico impressionante rendeu a ela um lugar no hall da fama do poker — sendo, também, a primeira mulher a conseguir esse feito.

2. Vanessa Selbst

Dona da maior premiação de torneios ao vivo entre as mulheres, Vanessa Selbst é considerada, por muitos, a melhor jogadora de poker de todos os tempos. A norte-americana acumulou, em sua carreira, mais de 11 milhões de dólares em torneios MTT, sendo a única mulher tricampeã de eventos da WSOP com open field.

Em 2011, ela ganhou, pela segunda vez consecutiva, o torneio NAPT, North American Poker Tour, tornando-se a única pessoa a conquistar esse feito. Seu maior prêmio foi em 2013, quando Selbst conquistou o troféu do PCA Super High Roller, levando para casa 1,4 milhão de dólares. Antes de Selbst, nenhuma mulher sequer havia jogado um torneio Super High Roller, cuja entrada é de 100 mil dólares.

Apesar de estar na lista das 30 pessoas mais lucrativas na modalidade, Vanessa anunciou sua aposentadoria no esporte. A jogadora afirma que jogará poker apenas como uma forma de diversão.

3. Vivian Saliba

Uma das promessas do poker brasileiro, Vivia Saliba integra um time verde-amarelo de respeito como embaixadora de um dos maiores sites do poker do mundo. A jogadora iniciou seu contato com o poker quando tinha apenas 12 anos e, desde então, teve uma ascensão significativa no esporte.

Em 2017, Saliba foi a jogadora mais jovem a participar no Main Event da World Series, garantindo uma premiação de mais de 47 mil dólares. Hoje, ela viaja o mundo participando de circuitos internacionais e tem mais de 100 mil dólares em premiações acumulados.

Apesar de todas as dificuldades das mulheres no poker, Vivian Saliba afirma que a presença dela no topo dos rankings brasileiros prova que homens e mulheres estão no mesmo patamar.

4. Renata Teixeira

A jogadora conheceu o poker em 2010 e, desde então, ganhou destaque no cenário nacional e internacional.

Seu primeiro Big Hit foi em 2015, quando se tornou a primeira mulher a cravar uma etapa do Circuito Odds de Poker e a fazer um heads up no Latin American Poker tour, sendo a vice-campeã no evento. No circuito live, ela garantiu o título de bicampeã do Ladies Event no Brazilian Series of Poker.

Não há dúvidas de que ainda existe um longo caminho para que a participação de mulheres no poker se torne expressiva, mas, exemplos como esses trazem ainda mais esperança para aquelas que querem viver do esporte.

Gostou do artigo? Então, não deixe de compartilhar nosso conteúdo nas suas redes sociais!